A garra de uma mulher é o segredo para o sucesso de agricultores do ramal do Pau Rosa

A técnica em Agropecuária Arileia do Carmo Silva é igual a toda mulher que quer fazer a diferença no mundo. Para isso, ela se uniu à Cooperativa Mista dos Produtores Rurais do Tarumã Mirim (Copasa) para ajudar centenas de produtores rurais que precisam de apoio técnico para alavancar a sua produção.

O trabalho desenvolvido pela cooperativa ajudou a melhorar a região do Pau Rosa e foi essencial para oferecer aos moradores uma alternativa de renda. Há alguns anos, a comunidade tinha a produção de carvão como única fonte de renda.

Ficou curioso? Continue lendo.

Força feminina

Há 23 anos, quando ainda era uma criança, Arileia do Carmo Silva chegou ao ramal do Pau Rosa com a sua família. Na época, a maior parte da população trabalhava na produção de carvão, atividade muito prejudicial para a floresta e à saúde.

As dificuldades na localidade eram muitas. Arileia e sua família enfrentavam a falta de água encanada e de energia. Ir à escola era uma grande aventura. Ela caminhava 6 km ou pegava carona com os carvoeiros para poder estudar. Mas nada disso foi capaz de fazer a menina abandonar o seu sonho: ser técnica agropecuária.

O amor pela profissão surgiu desde cedo ao acompanhar o trabalho do pai, seu Osmar, que é agricultor. Com ele, Arileia aprendeu muita coisa e no curso técnico se aperfeiçoou.  É só olhar para o seu sítio e ver a paixão e o cuidado que a técnica tem com as plantas que cultiva:  os cactos, rosas, bocas de lobos, camarões, onze horas, beijinhos, papoila, plantas medicinais, e, claro, plantações de açaí, cupuaçu, banana, macaxeira, pimenta de cheiro, couve, jaca, limão, entre outros.

Além de colocar em prática tudo o que aprendeu no curso profissionalizante, Arileia se associou à Cooperativa Mista dos Produtores Rurais do Projeto de assentamento do Tarumã Mirim (Copasa), assim como centenas de agricultores do ramal Pau Rosa. Ela também é secretária da cooperativa, que dá apoio técnico, ajuda os produtores com equipamentos e mudas para plantio.

Outro objetivo da Copasa é capacitar os cooperados a fazerem o gerenciamento de projetos de maneira independente e sustentável. Atualmente, a cooperativa conta com 62 associados.

Para poder auxiliar os produtores, a Copasa conta com a parceria da FAMAZONIA (Fundo Nacional da Amazonia). A agricultora Arileia ressaltou a importância do apoio da FAMAZONIA e Copasa.

“Essa parceria vem somar ao crescimento dos cooperados da Copasa. Com a ajuda da FAMAZONIA o nosso futuro será mais próspero. A FAMAZONIA nos deu condições para ajudar os cooperados com mudas para plantios e, futuramente, com uma agroindústria para beneficiar a polpa. Se Deus quiser, o céu é o nosso limite, todos crescendo juntos” afirmou a técnica em agropecuária Arileia do Carmo.

Imagem de Famazonia

Apoio técnico para agricultura

Morar na Amazônia aparentemente pode parecer difícil, principalmente quando o assunto é emprego. A situação é ainda mais complicada para agricultores familiares. Por ser a região que abriga a maior floresta tropical do mundo, muitas atividades devem seguir a legislação ambiental e isso acaba afastando muitas empresas.

Por isso, a agricultura familiar é um dos setores que mais empregam. Entretanto, muitos produtores estão desassistidos e sem apoio técnico para alavancar a produção. É aí que surgem cooperativas como a Copasa. Assim como essa instituição, outras ONGs podem contar com o apoio da FAMAZONIA.

A parceria da FAMAZONIA é fornecer sementes, mudas e adubos para todos os cooperados. Os insumos vão servir para iniciar a implantação dos Sistemas Agroflorestais na zona rural de Manaus, que é uma atividade sustentável.

A finalidade do trabalho em conjunto entre entidades públicas e as organizações representativas é facilitar o acesso dos pequenos produtores às políticas públicas voltadas para o setor.

Objetivo da parceria

O desenvolvimento sustentável é o grande objetivo da parceria da FAMAZONIA com as Organizações Não Governamentais (ONGs). As entidades envolvidas na ação incentivam o cooperativismo entre os agricultores, tornando viável as agroflorestas, que ajudam a preservar a fauna e a flora da Amazônia.

Além de ajudar a floresta, o cooperativismo traz benefícios aos associados das cooperativas, como:

  • Acesso ao crédito rural: Os empréstimos são oferecidos pelo governo federal aos agricultores rurais cooperados. Com o crédito, eles podem comprar equipamentos e adquirirem tecnologias que ajudam a melhorar o plantio.
  • Programas de comercialização: Os produtores agroflorestais podem comercializar os seus produtos com entes públicos, como prefeituras e governos. Assim, os alimentos desses agricultores são usados na preparação do lanche e do almoço servidos a estudantes de escolas públicas.

O projeto de agroflorestas ainda está no início, mas já conta com a participação de cerca de 20 famílias rurais. O objetivo do FAMAZONIA é unir a necessidade de desenvolvimento das regiões amazônicas à preservação florestal.